DICAS DE FILMES, LIVROS, BARES, PEÇAS E ESPETÁCULOS NO RIO DE JANEIRO

Arquivo para novembro, 2010

Ingressos para Amy Winehouse

Alooooooooou gente!

Os ingressos pro show da Amy Winehouse – que acontece no dia 11 de janeiro no HSBC Arena – começaram a ser vendidos hoje. Tá o olho da cara sim, mas vale a pena, principalmente pra quem paga meia. Os preços são: R$ 180 (cadeira nível 3), R$ 280 (pista), R$ 340 (cadeira nível 1) e  R$ 700 (camarotes e pista premier). A dica é comprar logo, porque deve esgotar rápido.

As Garotas de Programas estarão lá com ceteza! Os ingressos podem ser comprados pelo site http://www.livepass.com.br/, direto na bilheteria do HSBC (Av. Embaixador Abelardo Bueno, 3401, Barra, de segunda a domingo das 10h às 18h), na Modern Sound de Copa (Rua Barata Ribeiro, 502, lojas D2, D4 e D6 – Copacabana) ou pelo telefone (11) 4003-1527.

Até lá!

Por Renata Cruz

Anúncios

Pegadinha mexicana…

Comida mexicana a la Chaves

Mexdelícia. Esse é o nome do restaurante mexicano, localizado no Downtown, na Barra da Tijuca, que fui neste fim de semana. Compramos uma promoção, dessa vez no Peixe Urbano: um combo, com taco, tortilha etc, de R$ 42 por R$ 21. Beleza! Ótimo! Estava querendo comer comida mexicana há alguns dias. Lá fomos nós…  

Pedimos o nosso combo, que acompanhava arroz e feijão sem gosto. Sinceramente, jamais pagaria o preço normal desse prato. Quarenta e dois reais? Mas agora que estava lá e já tinha pago… Tinha pago?! Nada! Mesmo tendo efetuado a compra no site, veio a surpresa: além dos 10% do garçom, eles cobraram dez por cento por pratooo… e o valor real do prato. Tipo: pagamos, cada um, dez por cento de 42 reais e a garçonete ainda solta essa:

– É! No site, não colocaram isso…

Fiquei muito P da vida… Propaganda enganosa! O pior é pagar por um prato super sem graça.

Queria falar bem de algum lugar que os sites de compra coletiva sugerem! Tá difícil! Só furada! Bem, agora só promoções com restaurantes conhecidos… Me senti em um episódio do Chaves. Uma piada muito sem graça.

Por Marcelle Colbert


Benedito seja… ou não

O melhor da noite foram as meninas

Nada como tomar uma cervejinha com as amigas de repartição…numa quinta-feira…na Lapa.  Lá fomos nós, parte das garotas de programas, para mais uma missão. O lugar escolhido foi o Mas Será o Benedito, na Gomes Freire. Escolhido por acaso. Tudo culpa do ClickOn. Uma promoção. Tínhamos que testar uma super oferta juntas, afinal se é para se dar mal, é melhor estar bem acompanhada. Ou se dar bem também, claro!

Uma porção de batata frita com cheddar, um balde com dez cervejas, sinuca e entrada para um sambinha para duas pessoas. Tudo por R$ 30, quinze “real” para cada duplinha. Santo Benedito? Veremos: O casarão histórico e tombado é muito interessante exatamente porque é histórico e tombado.  Quando chegamos, fomos para o segundo andar, onde fica a mesa de sinuca, porque no terceiro o tal sambinha estava rolando alto, muito alto. A música não estava boa, mas beleza.

 

 

À espera do segundo combo...

 

– Vamos pedir os nossos combos!

– Cadê os garçons? Ah, a Julia vai buscar. Não precisa! Ele viu o pedido de socorro!

Pedimos, felizes, o nosso primeiro combo. E as batatas chegaram, depois de serem salvas de um afogamento no “mar de óleo”. O cheddar era um terror à parte. Ah, mas o bacon estava ótimo. E o balde de birras? Era Itaipava. Eu não curto muito, mas são cervejas.

– Mas cadê as dez cervejas, seu garçom? Só vieram sete!

– Já vem…

 

Foto com a espanhola...Era espanhola? Creio que seja...

 

Fomos embora, felizes porque nos divertimos e “cagamos” para o serviço ruim, as batatas gordurosas e a falta de algumas latinhas, que nunca mais foram vistas. Definitivamente, essa super promoção foi uma furada, mas a nossa saída foi ótima! É tão bom se divertir com essas meninas…No final, isso que importou. Benedito não seja, pelo menos quando o assunto é promoção.

Por Marcelle Colbert


Lições de vida à moda de Jigsaw

Se você gosta de muito sangue e umas amputações, certamente já viu “Jogos Mortais 7 – o final”. Sempre uma experiência um pouco traumática, o filme não só vem como os outros, recheados de joguinhos horripilantes (castigando os mentirosos, hipócritas, racistas), mas também conta mais alguns pedaços da história que é divida entre todos os outros filmes. Aquela do cara que tinha câncer, o John, que começou com a maluquice toda, além da mulher dele, e o comparsa policial. Não posso falar mais nada, porque acabo contando o filme.
 
Mas vamos ao que interessa… Depois de tantos jogos mortais, o divertido do filme mesmo são as novas engenhocas que matam todo mundo. Achei bem criativas. Fora o adorável bonequinho que aterroriza os “castigados”. Quando o bonequinho sinistro aparece é sempre mais legal que gravações, mas quando ele vem com aquela bicicletinha… É bom demais! Ver o filme em 3D é um show à parte. Aprovadíssima a ideia de filmes violentos/ terror/suspense na nova onda da terceira dimensão. Eu gostei, mas imagino daqui a uns 30 anos a sequência dos filmes definitivamente entrando para o hall dos trash movies, assim como o “Massacre da Serra Elétrica”.

Por Juliana Dargains


Testamos o ClickOn

Comer essa pizza again? Nem pensar!

Na semana passada, testei pela primeira vez o ClickOn, aquele site de compras coletivas que concorre com o Peixe Urbano… Gostei de uma promoção no restaurante Vovô Tino, no Riocentro, fim do mundo pra uns. Comprei uma pizza gigante, que na verdade era média, e dois chopps por R$ 16. Eu acho…Não lembro! 😉

O restaurante é bonitinho, mas não rola comer pizza lá. A cerveja estava uma delícia, geladíssima. Não provei as outras opções, porque a música ao vivo me irritou profundamente. Estava muito alta! A pizza não é gostosa. A massa lembra a de pão. E olha que posso, com certeza, falar de pizzas, já que provei de vários lugares da Itália, Inglaterra, França, Alemanha (a melhor!), etc. Ah, eu estou meio nojenta mesmo! rs*  😉

Por Marcelle Colbert


Um filme bom em um sábado nublado…

Sábado de chuva… E agora? O que fazer pra se divertir? Eu vejo filmes… Escolhi o “The Oxford Murders”, com Elijah Wood e John Hurt, para viajar de novo pelos colleges da cidade universitária, um dos lugares mais lindos que tive o prazer de conhecer e sonhar em estudar. O lugar tem esse poder. Dá vontade de estudar. Mas, voltando ao longa…

“Assassinatos em Oxford” se passa em Oxford. Hahahaha. Falando sério, o filme conta a história de um estudante de doutorado (ou pós-doutorado) que, junto com um enigmático matemático, tenta descobrir quando e onde os próximos crimes de uma série acontecerão. Eles usam seus conhecimentos para investigar as mortes, conectadas por símbolos matemáticos. Coisa fácil de fazer. 😉

Foto: Marcelle Colbert

É um filme bem envolvente, um suspense clássico, daqueles em que você não consegue desgrudar os olhos da tela e fica fazendo cálculos (Mentira. Foi só pra deixar o texto engraçadinho) junto com os protagonistas para descobrir o assassino. Muito bom mesmo!!!! O meu boneco está atento a cada detalhe e procurando um dicionário de matemática pra entender os termos usados pelos protagonistas do filme. No fim, ele fica feliz com o resultado dessa equação.

Por Marcelle Colbert

(mais…)


Islã

“Deus não me enviou para ser um zelote, como governante, nem um fanático, mas sim um educador e guia, que tornasse a vida mais fácil para os seres humanos”. Frases como essa, dita pelo profeta Mohammad, nos mostram a sensibilidade e razão dos pilares de uma religião que hoje é motivo de tensão para a maioria das pessoas. O islã, islamismo, é alvo de preconceito e incompreensão por muitos que não dedicam um pouco do seu tempo a conhecer mais sobre suas crenças. Eu, apesar de nem um pouco radical, e grande amiga de uma muçulmana, resolvi aproveitar uma das oportunidades que tive para aprimorar meu intelecto nessa área.
 
Na verdade, qualquer um pode. O Centro Cultural Banco do Brasil está com uma belíssima exposição sobre o Islã em cartaz. Ao entrar nos cômodos e ver toda aquela superprodução, competição entre a bela cenografia criada pelos curadores e a grandeza das próprias obras de arte, em sua maioria objetos, que se relacionam com a crença islâmica, dá para se empolgar bastante com a riqueza de detalhes dos objetos. Mas não se deixe levar, gaste também um tempo nas partes escritas, que são bastante esclarecedoras. Aprendi várias coisas e me diverti vendo o luxo e o cuidado que a religião tem em sempre fazer coisas belas, mas que levam a palavra de Deus e os ensinamentos do profeta, lembrando aos desavisados, que todo ato terreno é observado e a boa conduta do homem deve desde o início ser a  base para toda e qualquer atitude tomada.
 
Claro que o islamismo é uma religião que abrange muitos lugares, e por isso, a exposição é bem grande e mais material, com objetos, jóias e vestimenta. Por isso a importância de se ler os pedaços de história escritos nas paredes. Uma parte é também reservada para arte contemporânea envolvendo o Islã. Quem sair de lá e se interessar mais ou achar que não pegou a idéia da exposição, pode ainda participar de outros eventos que o CCBB promove nessa área, como palestras, sessões de filme, visitas guiadas, etc. A exposição fica em cartaz até o dia 26 de dezembro. É de graça!

Por Juliana Dargains