DICAS DE FILMES, LIVROS, BARES, PEÇAS E ESPETÁCULOS NO RIO DE JANEIRO

Arquivo para julho, 2010

Festa Shh! Club do Silêncio

Já fui algumas vezes na boate Dama de Ferro, em Ipanema. Bem ao estilo “inferninho”, com seu banheiro unissex escancarado de ponta a ponta no segundo andar, a boate sempre encheu meus ouvidos de música eletrônica da pesada.  Mas, desde o começo do ano, a boate abre espaço para uma festa… sem palavras. É a festa Shh! Club do Silêncio. Ao chegar, você ganha um fone de ouvido contendo três canais que você pode escolher conforme gosto musical: 1. Música Eletrônica (tocada ao vivo por um DJ gringo); 2. Rock n´ roll (de Rolling Stones a Artic Monkeys); e 3. Pop (de Madonna a Corona). Essas festas, provindas do individualismo e leis anti-decibéis inglesas, se espalharam pelo mundo e, lógico, chegaram ao Brasil. Aqui, as festas do silêncio já acontecem desde 2008 e minha primeira vez, foi ontem à noite no Dama de Ferro.

Já tinha visto uma matéria sobre as headfones partys e achei interessantíssima a ideia. Uma festa que não atrapalha vizinhos, une pessoas de diferentes gostos e não deixa zunido no ouvido de quem trabalha… só pode ser legal! Se bem que depois de ontem, comigo cantando alto e mal, os garçons provavelmente preferiam a antiga música ambiente. Não vou dizer que no começo não estranhei. A sensação é de estar num quarto cheio de gente, mas sozinha. Eu estava alheia ao resto e me deparei com o medo de dançar estranha, sem o escudo protetor da música alta que disfarça nosso inglês macarrônico. Depois de um tempo, as maravilhas do meu mundinho próprio afloraram e eu me vi de olhos fechados cantando com fervor a música Billie Jean.  A experiência, se bem aproveitada, pode ser libertadora. E foi.

De quando em quando tirava o fone para conversar com meu amigo e olhava pra aquela festa de autistas felizes. Autistas novos. É bom dizer. Claro, uma novidade dessas não podia ter um público maior de 25 anos. Já tive meu tempo de inventar um estilo e fazer parte de guetos culturais. Adorei perceber que a criatividade é infinita e, além de gerações específicas, é benéfica até para os corações mais velhos. Sai de lá com a sensação de que, para mim, o que é novo será sempre muito bem-vindo.

Por Aline Magno


Cerveja, rios e mares de cerveja, cerveja…

A missão desta sexta-feira de algumas das “garotas de programas” é terminar o expediente no bom e velho bar do poeta dos cachaças: Bukowski. Os DJs vão comemorar o Dia Mundial do Orgasmo com muito rock’n roll e dose dupla de destilados puros !!!! A entrada é R$ 25,00, mas pra pagar um pouco menos é só colocar o nomezinho na lista amiga e economizar R$ 6,00. A gente se vê no bar, que fica na Rua Álvaro Ramos, 270, em Botafogo. Como dizia Henry Charles > “Cerveja, rios e mares de cerveja, cerveja, cerveja, cerveja.”

Por Marcelle Colbert


Uma casa luso-brasileira

Depois que li no Globo Barra sobre o restaurante Canto Alegre, localizado na Barrinha, perto da famosa Rua dos Móteis, resolvi visitar o lugar, cuja dona é portuguesa.  Sentei do lado de fora, onde uma varanda improvisada com apenas duas mesinhas estava vazia. Lá dentro, uma multidão comia ‘alegre’ os quitutes de Dona Maria. A portuguesa, dona do lugar, me atendeu prontamente e com muita simpatia. Pedi um peixe, com salada e batata frita, prato para duas pessoas. Saboroso. Para quem gosta de almoçar fora, logo depois da praia é uma boa pedida! Especializado em comida portuguesa, fica localizado na Praça Desembargador Araújo Jorge, 89, Bloco 8 e 9, na Barra da Tijuca. Telefones: (21) 2494-0825 e (21) 2492-1823.

Por Julia de Brito


Cervejas artesanais

Essa é para quem mora do outro lado da poça e curte cerveja. Próximo ao burburinho de São Francisco, em Niterói, mas fora do circuitão dos restaurantes e bares em frente à praia, a dica é o Delicatella, uma deli especializada em cervejas nacionais artesanais e cervejas importadas. Comandado pelo experiente Leandrinho, o local é pequeno (20 pessoas no máximo) e é freqüentado por quem quer bater um papo sem o barulho dos bares mais movimentados. No cardápio, as excelentes Paulistânia (pelo nome já dá pra saber de onde vem), Colorado Indica (também de Sampa e feita com rapadura), Schneider (cerveja de trigo alemã) e Zillertal (large beer uruguaia). Para acompanhar, lingüiça de cordeiro defumada temperada com ervas e molho de mostarda (R$ 10 a porção pequena para duas pessoas) e costelas no bafo com batatas e alecrim (R$30 para duas pessoas), entre outras delícias. As cervejas vão de R$ 5 a R$10. A Delicatella fica na Avenida Rui Barbosa 101, loja 108.

Por Renata Cruz